Traíras são encontradas em todas as regiões do território nacional, é um peixe de água doce, vivem em rios, lagos e açudes. Alimenta-se principalmente de outros peixes e crustáceos e prefere habitar locais com pouca iluminação e movimento, onde possa se esconder, em meio de troncos e da vegetação aquática.  É um peixe muito esportivo e bom de pescar por ser briguento e feroz. Normalmente conseguimos achar exemplares de até 4 kg e 60 centímetros de comprimento. O que muitas pessoas confundem é a traíra e o trairão que pode chegar a mais de 10 kg e é encontrado na Amazônia e pantanal. Possuem uma coloração escura, perto do preto e os olhos também são pequenos e pretos, com dentes afiadíssimos, semelhante a uma piranha.

Os melhores meses para a pesca são entre dezembro e março, quando as traíras se alimentam com maior frequência. Além disso, esse é o período pós-reprodução, quando elas estão ainda mais ferozes e atacam qualquer coisa que se aproximar.

 Em dias mais frios ou muito quentes, as traíras são mais lentas. Enquanto em dias nublados com uma temperatura agradável elas atacam mais rápido. Para locais onde há pouca correnteza, o mais provável é que as Traíras se escondam em locais escuros, que pareçam pouco movimentados. Nesses locais, tanto as iscas naturais quanto às iscas artificiais garantem ótimas fisgadas.

A isca do tipo Stick garante bons resultados, lembrando sempre de utilizar iscas com cores chamativas. Entre elas as preferidas da Traíra são o preto, vermelho e amarelo. 

O Frog uma das iscas mais usadas apela ao gosto notório das traíras por rãs e sapos, comuns nos alagados de todo o país, é uma ótima pedida para acessar locais com muita vegetação, onde iscas com garatéias ou anzóis expostos simplesmente não conseguiriam passar. Os frogs escuros devem ter um lugar garantido na Mala de pesca, assim como os clássicos de alto contraste uma opção (corpo branco com cabeça vermelha).

Hélices e Poppers  dois tipos de iscas fáceis de serem trabalhadas apostam mais na irritabilidade das traíras e no seu caráter territorialista muitas vezes geram ataques explosivos mesmo quando o peixe não está se alimentando, por parecerem uma invasão ao território da traíra, como se outro peixe ou criatura aquática estivesse caçando na área dela ou ameaçando seu ninho e sua prole.

 

Precaução com as presas desse peixe são muito poderosas e afiadas!